sábado, 22 de dezembro de 2012

Sentimentos maduros e mansos

Hoje me restam ainda mais sentimentos, mais emoções, maduros e mansos. Hoje é a nova fase onde encontra-se a paz de espírito, o abraço que tranquiliza, que ameniza as dores e enche o coração de amor, de bondade, de fé e de esperança. Esperança numa vida tão sonhada, tão esperada. Esperança no amor, na alegria, no compartilhar, incondicional, sentimentos complementando outros e trazendo a paz pro coração.

Hoje sei que amar vai além dos limites. Maior do que o toque, mais intenso, mais profundo.
 Sentimento assim é tudo que alguém esperaria uma vida inteira para sentir e vivenciar. Um amor diferente, único, parte unificada, que te transforma e te transborda, que te liga a outro sentimento maior, inexplicável, a fé e o amor a Deus.

 Esperar, aguardar, deixar que a vida flua por si só foi a melhor escolha que fiz e que faço. Pois o que é teu não foge, não se perde, quando se entrega nas mãos do amor maior que é do Grande Deus.

Obrigada, por mais uma dádiva da vida, amar!

sexta-feira, 1 de junho de 2012

PARE!

   Ando me sentindo com medo de fazer as escolhas erradas, deixar de viver o que eu sinto vontade e ao mesmo tempo não desperdiçar oportunidades de ser feliz de verdade.
   Eu tento, paro, faço uma escolha, hoje parece ser o mais correto a se fazer e me sinto decidida de que não vou me arrepender... é o que eu quero, mas eu vou vivendo e meu coração volta a me dizer que não adianta passar uma borracha no que sente nem no que já foi vivido anteriormente, ignorar os desejos do coração ou fingir que é forte e que está tudo bem, pois nós sempre deparamos com nosso próprio mundo interno e lá dentro você sabe que não é isso que você quer, não é ali que você gostaria de estar e não, você não está se sentindo bem. 
  O coração voltou a doer, os desejos ardem dentro de você, sua barriga dói, seu coração angustiado tenta lhe mostrar que não dá mais pra tomar atitudes impulsivas. Nem sempre é do jeito que a gente gostaria, a vida não é certa, nem as pessoas. O que fazer? Eu voltei a errar comigo mesma, a enganar a mim. Não dá pra ser o que eu não sou, não dá pra tolerar coisas que não me faz bem, não dá pra me fazer de forte, determinada a levar uma situação que eu não vejo ou sinto que vai longe.
  Será que me enganar assim é o caminho pra ser feliz? não! Ser feliz é viver o que se tem vontade não é?
Ser feliz é viver momentos e apesar de únicos e definitivos é o momento que te fez se sentir vivo, maravilhado, que fez seu coração e seu corpo vibrar, seus olhos brilharem, te fez satisfeito mesmo que seja por instantes, te fez ser quem é.

  Se ame, pare de se cobrar tanto, pare de voltar aos erros pra tentar ser o que não é! PARE! Faça o que te faz bem, viva o que te faz feliz, pare de ter medo, viva, mude, aceite, se liberte de tudo que te faz mal. 
   

domingo, 21 de agosto de 2011

Lembre-se!


"Para que você possa viver o amor não é preciso procurar muito, ele está nas pequenas coisas...
Apenas ame como criança, e será muito feliz."



Lembre-se daquele seu cachorro de infância, que mesmo você brigando por ele ser muito agitado e pular em você, sujar a garagem, chegar em casa e está tudo bagunçado, você está cansado, mas pra ele nunca tem tempo ruim. Não importa a hora, o momento, se você tem algo ou não pra lhe oferecer, se você é rico ou pobre, inteligente ou desligado, brigando ou não, ele te ama e está ali e nunca te abandonou. 
  Lembre-se de quando você se levantava pra ir pro colégio, numa manhã de sol,  a cidade despertando aos poucos e você consegue sentir a brisa suave, ouvir os pássaros e saber que aquilo é um momento de paz.
  Lembre-se da família reunida, do beijo e abraço de sua mãe, de seu pai rindo e contando piada pela casa, seu irmão dançando ou quando vocês relembravam as travessuras da infância.
  Aquele dia de natal, a sessão pipoca na semana, a reunião de amigos, os lanches depois da balada sentados na calçada, as festinhas na garagem de casa, as conversas engraçadas com a turma. Os risos, os choros, os romances, as desilusões, os reencontros, as partidas, os sorrisos, os olhares, os gestos e os sentimentos vividos no decorrer da vida. Lembre-se!


     "A vida é um conjunto de emoções e sentimentos, às vezes bons ou ruins. É como um relevo, existe seus altos e baixos, nos momentos altos temos a alegria, nos baixos temos a impressão que o mundo desabará sobre nós, com a sensação de não ter fim. A vida é repleta de momentos. Afinal, o que seria da vida sem esses momentos? O que seriamos de nós? O diferente é necessário."

                                               VIVA E AME! 

       

sábado, 2 de abril de 2011

Cadê o amor?

Cansei de falsos amores, promessas não cumpridas e palavras ditas em vão.
 Cadê aquele brilho nos olhos, aquela sensação suave, a ansiedade que faz com que sinta borboletas no estômago, seu coração falar mais alto, é como se existisse uma luz quente que te ilumina lá dentro e que te traz a sensação de paz, uma contentação fora de si, um sentimento que te completa. As pequenas coisas tem seus valores, apenas um gesto lhe traz o mais maravilhosos dos momentos e tudo isso de uma dia pro outro já não sentido algum?
 Aquelas prometas ditas olhando profundamente nos olhos, todas aquelas palavras foram ditas da boca pra fora, você se sente um Ser vazio a ponto de não saber mais se teve ou ainda tem algum valor. Bom, é assim como muitas pessoas se sentem, o amor nunca faz sentido. Ele existe, mas quem realmente é feliz no amor? Não existe felicidade, só momentos felizes, que no final sempre lhe traz o mal estar, a tristeza e a infelicidade.
  O brilho existiu, o sentimento era mágico e incondicional, até o tempo vir e as pessoas mudarem
e desistirem, não darem o valor que davam antes ao que foi vivido. Quem nunca deu valor a uma história que se tornou uma mentira de uma hora pra outra? Quem nunca se sentiu destruído por se sentir traido, enganado, sem valor algum para alguém que você depositou a sua confiança, a sua felicidade e era mais preciosa do que qualquer coisa, o tempo nunca existia e nem importava, nada mais fazia sentido no mundo, essa pessoa era a maior importância, seu porto seguro. Você sentiu amor. Qual é mesmo o significado de amar? Por que no final sempre dói tanto? Eu ouvi dizer que amar só traz felicidade e não a dor. Então, qual o verdadeiro significado? Eu espero que um dia a vida me mostre, pois hoje me fizeram desacreditar de que finais felizes ainda existem ou se isso um dia já existiu.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Uma fase ou faz parte dessa vida?

Você se sente parado no tempo sem ter rumo.
Sua vida se torna vazia e você não vê o chão, não vê se quer uma escada,
um apoio, um caminho a seguir. Aí começa a sentir-se enlouquecido, 
aborrecido de mais. Haverá um culpado?
Seus dias são sempre os mesmos, você já não sabe o que fazer para enfrentar
os problemas do cotidiano, tenta manter as pessoas ao seu redor tranqüilas, pois
 não há tranqüilidade que exista, todos sentem o mesmo.
Você procura varias maneiras de mudar, você sonha e procura uma luz que possa
te guiar a algo bom. Você se torna perdido, se deprimi, até perde as esperanças, mas
 seu coração ainda se mantém por uma fé. Talvez a fé de que tudo mude, de que
tudo passe e que isso só é um tempo ruim. É a vida?
Você para e chora, reclama com Deus e pergunta por que sua vida foi se tornar
tudo isso e por que você se encontra nessa situação. Você se acalma, começa 
a sentir que está vivo, sente sua própria presença, parado, só sua mente
está em movimento. A sua vida se torna a resposta do que procura, essa
será a resposta para continuar tendo fé? é sentir-se vivo, mesmo sem
ter um caminho, uma faisca que te ajude a encontrar o lado onde percorrer e pedir ajuda.
 Não desistir é a melhor maneira, tentar não pensar nos problemas será a solução
deles? Talvez esse seja o maior jogo da vida.
 Todos nós procuramos um caminho, mesmo que ele possa parecer distante
e impossível, mesmo que não há rumo, mesmo que não encontre ajuda, você
 permanecerá buscando o caminho da felicidade.
 O caminho que acredita ser a felicidade. A sua felicidade.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

As coisas não são como gostaríamos que fossem.

Aguentar sozinha, enfrentar todas as dores existentes
por não conseguir ter uma resposta racional de que
tudo ficará bem.
  Ontem você se sentia radiante por ter conquistado e resolvido
coisas importantes, um grande amor. Vivendo os melhores momentos,
aqueles que gostaria de parar o tempo e continuar, para sempre. Foi algo
que o fez sentir-se inteiramente bem. Nada o incomodava, você estava ali, 
alegre e completa. Você o vê ir embora, você sente a dor ao ter que deixá-lo.
 não faz parte das suas escolhas, apenas da vida. Você chora toda vez que tem que deixar a felicidade de lado, mas aquele choro é de saudade, a saudade que hoje já faz parte do seu dia a dia.
As dificuldades começam a deixá-la preocupada, você sonha, você se mantém encorajada por existir um sentimento tão forte dentro de si mesma, com a certeza de que os quilometros que me distanciam da felicidade não a fazem inexistir. Você a sente viva, à sua espera. Chega uma hora que o desespero
já tomou conta dos sentidos, você já a sente distante ao ponto de lhe trazer o vazio.
 As dificuldades lhe tornam uma pessoa cada vez mais triste, a dor começa a ser sua companheira e os dias começam a não valer tanto como antes. 
Você já não sabe mais o que fazer, não encontra forças, se lembra do quanto foi bom, e as lembranças aparecem em sua mente, sente todas as sensações em sua pele, todo aquele sentimento incondicional e pleno que  foi único e que hoje você sente distante e talvez, impossível de manter.
  Por mais racional que você seja, o emocional o domina, nada o faz desistir da felicidade, ela ainda faz parte dos seus sentimentos, não é algo que se elimine ou que possa ser ignorado.
 Não é sua pretensão deixar que esse sentimento morra, você tenta fazer o que for preciso para manter estável, mas você sente que a própria felicidade desiste de você aos poucos.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Sobrevivendo à mediocridade

Até quando as pessoas vão esperar que as soluções caiam do céu?
As pessoas esperam sentadas, deitadas e cada vez mais solitárias, mas
ainda sonham, desejam, brigam, em sua poltrona, seu sofá, sua cama.
Até quando vão escutar o silêncio da cidade? Até quando vão tolerar tudo isso?
Até quando vão se preocupar só na limpeza da casa, de impor seus valores que são apenas seus? Seus desejos, sua mente.
 Até quando fechará os ouvidos e fingirá estar o mais atento ao que lhe dizem?
 Enfim, continua-se no Egoísmo, ao seu pensamento trancado e seus valores feitos e impostos a todos.
 Aonde estão os sentimento daqueles que estão ao seu lado, qual o desejo deles, param pra pensar no que querer ou acham sobre tudo? Ninguém se esforça. Apenas vive seu mundo da lua. Está longe. Escuta, mas não ouve.
  Até quando você vai dizer que está cansado, sabendo que não fez nada para mudar, para buscar melhoras à vida? Eu vejo as pessoas se perderem, se destruírem, deixarem os verdadeiros valores da vida de lado, entregarem-se à futilidade, e excluem-se do verdadeiro mundo.
  A vida corre, você se esconde, desperdiça, perdem-se dias e dias dormindo, sonhando, imaginando. Acorda, continua sentado, enquanto sua vida vai embora em vão.
  E o que fez por você?
  O mundo tentou lhe dizer, os dias se passaram e você continuou dormindo.
As horas já dominaram o mundo e hoje você definha, morre lentamente no sofá.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Os Impostores

(13h45min - Curso de Francês)

Cheguei com muita empolgação, por mais que não parecesse. A turma é bem descontraída e a aula foi cômica.
Ultimamente nem a professora conseguiu ficar sem entrar no clima.
A aula foi boa, mas o melhor vem agora.
Na hora de irmos embora muitos vão pelo mesmo caminho, e hoje estava lá, Daiane, Filipe (Pará) , Izabela, Gustavo (Francês) e eu. Depois de muita conversa em Frente à Wizard (Escola de Idiomas), fomos a caminho do terminal, o dia estava bonito, portanto resolvemos ir andando. Muita bagunça, eu estou me inturmando mais.
A Dayane é muito engraçada e a maioria das piadas vem dela. O Pará, Ele adora me zoar e é outro engraçadinho. Izabela, estudamos à 6 anos juntas, no mesmo colégio, quase um "casamento". O Francês, ele também é divertido, mas está começando a se inturmar agora também, ele estuda e mora no tão, tão distante (Um bairro bem distante).
 Rumo ao terminal Tâtico, já havíamos feito várias palhaçadas na rua e a Dayane é a Mestre.
  Estávamos perto do terminal, nos despedimos da Iza, que estava de Bicicleta e fomos ao plano "mirabolante".
Para quem não sabe, aqui em Praia Grande os terminais são assim: Quando você entra em um ônibus, chegando no terminal você pode sair e pegar outro ônibus, é gratuito, mas apenas para andar pela cidade. Existe o espaço aonde os ônibus entram no terminal e ninguém que esteja lá fora pode entrar por ali. Apareceu um plano em mente, não me lembro em qual das mentes que estavam ali, mas alguém pensou, isso é um fato. Nós três, menos o diferente do Francês (porque ele é chique) foi entrar pela roleta, mas nós, os diferentes e felizes fomos ter um dia de “Os impostores”.
Fomos até o outro lado da rua, para disfarçar, avistamos o guarda, que sempre está distraído, combinamos de passar pelo lado onde estava o ônibus à vista. Estava tudo certo, tudo calculado. Atravessamos novamente a rua, de mãos dadas, depois disfarçamos, mais uma vez, eu estava na frente e avistei o guarda olhando em nossa direção, eu avisei para os dois (Pará e Daiane) e continuamos a andar, o guarda virou-se de costas e eu disse: Venham rápido! Nossa, andamos super acelerado e entramos, ENTRAMOS! Nós riamos muito! Eu quase chorei de tanto rir.
Fomos procurar o Francês, ele ainda nem tinha entrado no terminal.
Sentamos no banco, todos juntos, nos distraímos.
 - Pará: Alguém tem dinheiro aí?
-Daiane e eu: Não, só o cartão de passe.
- Pará: ah! Eu tenho o dinheiro só da passagem aqui.
- Daiane: AH!
- Pará, continua: Passa pra mim o cartão, daí eu pego o dinheiro e compro alguma coisa pra gente comer.
- Eu: Não dá, é cartão do estudante, só passa uma vez...
- Daiane termina: Só passa de novo depois de 30min.
- Pará: deixa pra lá!
 Um minuto de silêncio. Todos nós ficamos pensativos. O francês tinha chegado, contamos pra ele todo o trajeto e começamos a rir... Eu levantei, distraída.
- Pará diz: A gente não vai pagar o ônibus. Dãã!
 Nós discutindo sobre passar o cartão e o Pará podia gastar o dinheiro, porque não tinha que pagar a condução. Voltamos a cair na gargalhada! Como podemos ser tão imbecis a esse ponto?
Pelo menos foi divertido.
Fizemos um lanche com 2 Reais e 50 Centavos.
O que conseguimos com isso? Duas coxinhas!

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Hoje as coisas passaram a ficar um pouco mais claras.
Deixei toda a mágoa de lado e consegui fazer o que eu realmente queria.
Talvez eu estivesse apenas enganada. Eu ainda não sei, mas já me senti bem melhor.
Foi como se fosse resgatar algo que fazia falta, e realmente fazia.
Fiz o que eu estava com vontade, fiz com todo o meu coração.
Assumo que não estava tão segura no que poderia acontecer.
Não aguentava mais, eu estava no meu limite.
Meu coração resgatou seus batimentos, porque antes era como se nada mais funciona-se.
Eu estou voltando a ter esperanças nas coisas em que eu sempre vibrei de todo o meu coração.
Tentar fugir do que realmente sente não é o melhor caminho. Nunca foi.
Sentir, é um ato de plenitude, é mágico, é uma sensação que não se compara a nada.
Hoje é o que eu mais quero. Eu não vou mais me esconder de baixo da cama e fugir do que é real.
Agora eu vou atrás de tudo que eu quero para mim, para a minha vida e é assim que agora eu procurarei ser feliz.


terça-feira, 20 de abril de 2010

Os sentimentos permanecem comigo

 Eu não sei se um dia vou entender por que eu tanto procuro por você ainda. De você só me restaram decepções e mágoas. Uma parte de mim me faz ir atrás de notícias suas e eu volto e repito os mesmos erros, machucando a mim mesma.
 O tempo passou e as lembranças da suposta “férias” do inverno passado me vem em mente quando leio coisas sobre você. Eu prometi pra mim mesma que eu não ia mais me importar com as coisas que passamos, mas assumo que é difícil quando se guarda lembranças e sentimentos por uma pessoa que de fato é especial.
 Nunca convivemos juntos, mas foram anos compartilhando pensamentos, opiniões, conversas até altas horas da noite. Eu não me livrei do que sentia antes, é como se estivesse marcado em mim, foi forte demais. Eu não digo que te amei, nem que éramos amigos ou que você foi especial. Você ainda é muito obvio dentro do meu coração.
 Deixei tudo para trás, me afastei, não voltei a entrar em contato, fugi, isso não foi muito difícil de fazer, mas fiz pensando que você viria a minha procura. Você não veio, talvez nunca tivesse se importado.
 Você acendeu uma luz em meu coração quando olhou nos meus olhos e disse que me amava. Hoje eu sinto como se aquelas palavras fosse sua mentira, depois de sentir o seu silêncio quando descrevia o que eu estava cansada de guardar pra mim.
 Esperava muito que um dia eu pudesse contar olhando em seus lindos olhos o que você é pra mim, o quanto eu me senti perfeita quando estava em sua companhia e como é a sensação de permanecer com todas as sensações daquele momento vivido com você.
 Você sente tudo isso, mas não é por mim. Eu reluto comigo para esquecer, para apagar as lembranças. Amar não é um sentimento fácil de compreender. Eu não espero mais nada, o tempo me deu resposta demais para mostrar que nada do que aconteceu vai voltar e que coisas boas vão embora rápido.